segunda-feira, abril 20, 2009

Ninguém Entra! (nem saí...)






C

2 comentários:

O Profeta disse...

Mas um beijo às vezes
Faz parar o tempo em seu desvario
Arranca mil sentires à alma
Voa no celeste preso em terno fio

Liberta esta lava incandescente
Transbordante em teu peito palpitante
Dá-te as asas de um pássaro azul
Transforma o eterno em sublime instante


Boa semana


Doce beijo

C disse...

WOW...

Em nome do "estaminé" Quente e Bom... obrigada pela visita e pelo lindissimo poema!


Bjs

C